Viva Um dia de Cada Vez e Seja Feliz

quinta-feira, 26 de agosto de 2010

CATETERES PARA QUIMIOTERAPIA


Olá  amigas,
Essa semana eu passei uma pequena cirurgia colocar um cateter para poder continuar recebendo a quimioterapia.
Então fui procurar mais informações a respeito e quero repassar a vocês, confesso que não é nada agradável a sensação de ter um corpo estranho dentro de voce, mas se tem que ser assim então vamos lá.

Uso de catéteres para o tratamento com quimioterapia

Tratamentos para câncer que incluam a quimioterapia frequentemente são realizados através de um acesso ao sistema de veias. Muitas das vezes o tratamento pode ser realizado através de veias periféricas, como as localizadas nos braços por exemplo, porém em outras situações esta forma de aplicação da medicação pode não ser a mais apropriada. As principais indicações para o implante de um catéter para quimioterapia são as seguintes:
  • Dificuldade de acesso venoso periférico em virtude de veias finas ou aumento do tecido gorduroso.
  • Quimioterapia de longa duração.
  • Tratamentos realizados com ciclos freqüentes ou múltiplos e uso de medicamento vesicante (podem produzir irritação da parede dos vasos).

Nestas situações é necessário providenciar um acesso permanente ao sistema venoso profundo através de um procedimento operatório em que um catéter é implantado no paciente. O tipo de catéter mais usado é o chamado totalmente implantado (figura 1).


Este dispositivo deverá permanecer pelo tempo que durar o tratamento com quimioterapia. Proporcionam maior conforto ao paciente já que o acesso ao sistema venoso é obtido a cada ciclo de quimioterapia pela punção do port (parte do catéter que fica debaixo da pele) geralmente colocado na região anterior do tórax logo abaixo da clavícula. Assim a punção para acesso ao sistema venoso torna-se fácil e praticamente indolor. Além disso, um aspecto estético favorável é obtido, já que o dispositivo não é visível .

Cuidados:

Como em toda cirurgia, são necessários cuidados pré-operatórios como avaliação clínica, risco cirúrgico para os casos indicados e exames para testar a coagulação do sangue. A anestesia empregada na maioria das vezes é a local com ou sem sedação, porém com acompanhamento do anestesista. Antibióticos são usados durante o procedimento para reduzir risco de infecção. Um ponto fundamental no ato operatório é a necessidade de realização intra-operatória de um exame de radioscopia (figura 3) para confirmar o correto posicionamento da ponta do catéter próximo ao coração (veia cava superior-átrio direito). Após o procedimento, realizado numa internação de apenas algumas horas, não há restrição para atividades habituais do paciente.

É absolutamente necessário que o acompanhamento posterior seja realizado por equipe de enfermagem treinada para este tipo de cuidado. O manuseio do catéter requer atenção especial para seu bom funcionamento, cumprindo assim, a finalidade para a qual foi colocado, ou seja, permitir o tratamento indicado para o caso com o maior conforto possível para o paciente.


bjus até a próxima. 

Selma

Um comentário:

  1. oi eu sou patricia tia de um bebe que essa semana vai por um cateter parafazer a quimio pois não encontram mais veias .. eu gostaria de saber se ele corre algum risco.. bjss

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário e me diga qual o assunto voce quer saber?